Descubra Como Visitar a Casa de Anne Frank

A casa de Anne Frank ou, se preferirmos designar de outra forma, o Museu de Anne Frank é indubitavelmente uma das visitas a fazer em Amesterdão. A casa/prédio, transformada em museu em 1960, de forma a homenagear Anne Frank, bem como todas as pessoas que lá viveram com ela, durante alguns penosos anos, recebe todos os dias centenas de visitantes. Todavia, se tem algumas dúvidas sobre como visitar a casa de Anne Frank preparamos para si um pequeno guia com o que precisa de saber. Antes de nos debruçarmos sobre a visita à sua casa, vamos falar um pouco sobre a história da mesma.

Como visitar a casa de Anne Frank
É habitual existirem filas para entrar na casa de Anne Frank.

A casa de Anne Frank e o seu esconderijo

Atualmente, a casa de Anne Frank é um museu muito peculiar e, em simultâneo, o lugar que serviu de esconderijo para ela, bem como para a sua família durante a Segunda Guerra Mundial.  Foi durante esse período que ela escreveu o seu famoso diário, o qual os seus pais haviam lhe oferecido aquando do seu décimo terceiro aniversário.

A subida de Hitler ao poder e a invasão dos Países Baixos

Tudo começou quando Adolf Hitler subiu ao poder em 1933, na Alemanha. Fruto do regime antijudaico que imperava na altura no país, a família Frank mudou-se para os Países Baixos, estabelecendo-se em Amesterdão, onde Otto Frank, o pai de Anne, criou uma empresa.

Todavia, em maio de 1940, o país foi invadido pelas tropas alemãs, onde prosseguiram com as medidas contra os judeus que haviam implementado na Alemanha. Devido às repercussões, Otto e a sua família, isto é, a sua esposa, Edith Frank, bem como as suas duas filhas, Margot (a mais velha) e Anne, esconderam-se num anexo do prédio da empresa, em Prinsengracht 263. Posteriormente, juntaram-se a eles mais pessoas. A saber, Hermann van Pels e a esposa, Auguste, o filho, Peter, bem como ainda Fritz Pfeffer, um conhecido de Otto.

O prédio onde Otto Frank e restantes pessoas se esconderam

O prédio da empresa tinha duas partes, sendo que uma era a casa da frente e a outra consistia do anexo secreto. Otto e as restantes pessoas esconderam-se no anexo, porque tiveram a ajuda dos empregados do escritório da empresa, que lhes traziam roupas, comida, jornais e livros, sendo que estes eram os únicos que sabiam. Durante o dia, não se podiam movimentar no anexo, sob pena dos empregados do armazém, que não sabiam que estavam pessoas no anexo, descobrirem.

A captura após uma denúncia às S.S. alemãs e o destino dos clandestinos

A 4 de agosto de 1944, sensivelmente um ano antes do fim da guerra, depois de uma denúncia feita por telefone para as S.S., a polícia foi ao prédio da empresa e descobriu as oito pessoas que se escondiam no anexo, as quais foram presas, bem como dois colaboradores do escritório. Até hoje, não se sabe quem fez a denúncia à polícia, embora hajam muitas teorias. O certo é que as oito pessoas em causa foram deportadas para o campo de extermínio Auschwitz-Birkenau e somente Otto Frank conseguiu sobreviver. Os dois colaboradores que haviam sido presos, também conseguiram sobreviver.

Em junho de 1945, Otto voltou para Amesterdão, onde viria a receber a notícia de que as suas filhas tinham morrido. Uma das colaboradoras do escritório que não tinha sido presa, tinha guardado os diários de Anne Frank e, ao saber que esta tinha perecido, entregou a Otto os mesmos, o qual decidiu publicá-los após alguma ponderação, em junho de 1947.

No museu de Anne Frank, podemos ver, além dos quartos que albergavam as oito pessoas, citações do diário, imagens e fotografias, filmes e outros objetos, que servem para ilustrar os acontecimentos e a atmosfera vivida naquela altura e naquele espaço confinado.

Um modelo do prédio e do anexo onde Anne Frank e mais sete pessoas se esconderam.
Um modelo do prédio e do anexo onde Anne Frank e mais sete pessoas se esconderam.

Como visitar a casa de Anne Frank

A casa de Anne Frank, situada em pleno centro de Amesterdão, está aberta durante todos os dias do ano, inclusive aos domingos. Dito isto, para poder visitar o museu apenas tem de adquirir os seus ingressos para o efeito, presencialmente no local ou online (atualmente é a melhor opção). As visitas à casa estão sujeitas a algumas regras, como a impossibilidade de tirar fotografias, com as quais deverá familiarizar-se, antes de a visitar. Vejamos abaixo como pode chegar ao museu e qual o seu horário de funcionamento.

Onde fica a casa de Anne Frank

Se não está familiarizado sobre o local onde fica a casa de Anne Frank, a mesma fica localizada no canal Prinsengracht, com os nºs 263-267, mesmo no centro da cidade de Amesterdão.

Se partir a pé desde a Estação Central, normalmente, dura cerca de 20 minutos até chegar à casa, por outro lado, pode também apanhar os meios de transporte públicos e parar em Westermarkt, que fica próximo da casa.

O funcionamento do museu da Anne Frank

Se pretende visitar o museu da Anne Frank, deverá ter em consideração alguns aspetos, para não ser apanhado desprevenido e conseguir visitar o local no dia pretendido, nomeadamente:

O sistema de entrada

Desde maio de 2016 que existe um novo sistema de entrada no museu. Nesse sentido, das 9h às 15h30 somente os visitantes que comprem um ingresso online podem entrar. A partir as 15h30 até à hora de fechamento já não existe esse impedimento e é possível entrar no mesmo comprando bilhete à entrada.

Horário do funcionamento

Na época alta, num período compreendido entre 1 de abril e 31 de outubro, o museu está aberto das 9h às 22h, por outro lado, na época baixa, isto é, entre 1 de novembro e 31 de março, o horário de funcionamento é das 9h às 19h, sendo a única exceção o sábado, em que o museu fecha mais tarde, nomeadamente às 21h.

Se gostaria de saber mais informações sobre a casa de Anne Frank ou aproveitar para comprar o seu ingresso online, poderá visitar o site oficial, clicando aqui.

« Voltar para a Página Inicial

Leave A Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *